Dia das Mães na escola: como comemorar essa data de maneira inclusiva

Aprenda sobre a origem do Dia das Mães e confira nossas sugestões para celebrar a data de maneira inclusiva nas escolas.


Todo segundo domingo do mês de maio, o Dia das Mães é celebrado em todo Brasil e em outras partes do mundo. As mães sempre tiveram um papel fundamental na construção de uma sociedade mais justa e no desenvolvimento das crianças. Entretanto, as novas configurações e dinâmicas familiares, levantam a necessidade de repensar e refletir um novo formato de comemoração do Dia das Mães na escola.  


+
EaD na escola: veja como funciona

A origem do Dia das Mães

Muitos dizem que a comemoração da data teve início na Grécia antiga. Na época, as festas que marcavam a entrada da primavera eram realizadas em homenagem a Rhea, a Mãe dos Deuses. Mas o tradicional Dia das Mães que conhecemos hoje foi surgir mais de mil anos depois, no início do século XX, nos Estados Unidos. A idealizadora foi Anna Jarvis que, sentida pela morte de sua mãe, promoveu uma campanha para que o Dia das Mães se tornasse um feriado reconhecido, em 1907.


A data foi finalmente reconhecida sete anos depois, quando foi aprovada pelo Congresso dos Estados Unidos e proclamada pelo Presidente Thomas Woodrow Wilson. Assim, o Dia das Mães foi celebrado pela primeira vez em 9 de maio de 1914. Desde então, a data é amplamente comemorada em diversos países do mundo, sendo a segunda colocada no ranking de vendas comerciais, atrás apenas do Natal.


O Dia das Mães no Brasil

No Brasil, a celebração ocorreu pela primeira vez no dia 12 de maio de 1918, em Porto Alegre e, em 1932 o Dia das Mães foi oficializado por Getúlio Vargas. A ideia surgiu do movimento feminista no país, a Federação Brasileira pelo Progresso Feminino, com intuito de valorizar o papel das mulheres na sociedade. 


Como celebrar o Dia das Mães na escola

Pode-se dizer que a escola é um pequeno reflexo do mundo; as situações e desafios ali encontrados e as conexões estabelecidas com os colegas de turma servirão como excelentes ferramentas para o desenvolvimento de uma criança madura e preparada para lidar com a vida.

Sendo assim, é fundamental que as instituições de ensino sejam um ambiente inclusivo e acolhedor, onde a diversidade é respeitada e a empatia, cultivada. Cabe, dessa forma, aos pedagogos e professores dar o exemplo e proporcionar a reflexão de ideias e conceitos que vão na direção contrária aos valores citados, como é o caso das celebrações de certas datas, como o Dia das Mães.


Mesmo que seja essencial reconhecer o carinho, cuidado e dedicação das mães, é preciso levar em conta as diferentes realidades dos estudantes. Muitas crianças não vivem em uma estrutura que siga o modelo familiar tradicional estipulado pela sociedade. Em alguns casos, elas vivem com seus avós, casais homo afetivos, pais solteiros ou em qualquer outra configuração em que não haja a presença de uma figura materna


Dito isso, como fazer com o que o Dia das Mães na escola seja inclusivo?


Em 2001, o Ministro da Educação (MEC) instituiu o Dia da Família na Escola e, desde então diversas instituições de ensino passaram a incluir a data aos seus calendários. Outros colégios foram além, dando fim às comemorações como o Dia das Mães e dos Pais e substituindo-as pelo Dia da Família. A iniciativa surgiu com o intuito de acolher todos os alunos, abraçando a diversidade e promovendo o respeito entre as crianças.



Dicas de atividades para realizar no Dia da Família

Além de quebrar estereótipos e pré-conceitos existentes em torno da configuração familiar, celebrar o Dia da Família é uma ótima forma de incentivar a participação de todos na educação das crianças. Confira abaixo alguns exemplos de atividades que podem ser realizadas:


  • Piqueniques coletivos;

  • Estações de arte como desenho, pintura e escultura;

  • Brincadeiras e jogos coletivos e colaborativos;

  • Comemorar a data ao ar livre em algum parque ou praça arborizada.


Essas e outras ações podem ser feitas tanto dentro e fora da sala de aula. O importante aqui é que seja construído um senso de comunidade e que todos se sintam bem recebidos.


Vale lembrar que a reflexão sobre as diferentes configurações familiares não devem acontecer apenas uma vez por ano, em uma data específica. Ao trocar o Dia das Mães na escola pelo Dia da Família, as crianças passam a entender que não existe certo ou errado, não existe a família perfeita ou imperfeita. Independente do contexto em que se encontram, o que realmente importa é o vínculo criado entre ela e as pessoas responsáveis pelo seu cuidado.
Leia também:
+ Educação Especial Inclusiva: quando a diversidade resulta em inclusão
+ Como escolher uma boa escola para estudar?