Temos mais de 193.000 escolas cadastradas em nosso site

Temos mais de 193.000 escolas cadastradas em nosso site

Encontre as principais informações das  escolas

Encontre as principais informações das escolas

Avalie sua escola e contribua com a educação brasileira

Avalie sua escola e contribua com a educação brasileira

Garanta as melhores bolsas de estudo das escolas parceiras

Garanta as melhores bolsas de estudo das escolas parceiras

 
 Publicidade: 

Jogos que educam

Jogos que educam


Nascidas na era da conectividade, as crianças de hoje convivem harmoniosamente com as tecnologias de comunicação e interatividade. Chamada de geração alpha, para elas já não é possível desassociar o aprendizado da vida online. Por isso, considerar games e aplicativos como mais uma ferramenta na educação, é essencial. “Como essa geração nasce na era digital, ela tem o jogo como algo do dia a dia. Trazer a questão da aprendizagem pelo jogo é aproximar temas que são importantes para as crianças aprenderem em um ambiente que elas já gostam”, esclarece Silvia Sá, psicóloga e gerente de educação do Instituto Akatu.

Falando a língua delas

Levar questões de aprendizagem por meio dos games é falar a língua dos pequenos, já que este ambiente é algo habitual a eles. A gameficação – ou ludificação, em português – consiste em inserir as técnicas e estratégias dos games dentro de uma atividade.

De acordo com Jorge Proença, diretor da Kiduca, plataforma educacional por meio de games, o desafio e o avanço das fases podem incrementar o aprendizado. “Todas essas técnicas combinam muito com o processo de aprendizagem, então colocar uma atividade educacional no game cria a sensação de que é natural aprender", afirma.

Luciana Barros de Almeida, presidente nacional da Associação Brasileira de Psicopedagogia (ABPp) destaca que, principalmente quando as crianças ainda não conseguem abstrair o pensamento, o game pode ser a ligação entre o concreto e o abstrato, pois traz a possibilidade de brincar: a língua universal do mundo infantil. “Jogos são meios de desenvolver o raciocínio, a interação, a concentração e a autoconfiança. São importantes por ser o elo por meio do qual parte-se do divertimento para chegar à aprendizagem”, conta.

Como os pais podem orientar

A supervisão dos adultos nunca é demais quando o assunto é universo online. Por não serem nativos da era digital, alguns pais têm dificuldades em selecionar e orientar as crianças na escolha de aplicativos e games, porém, a palavra-chave é informação. “A orientação é que eles pesquisem e entendam os conteúdos para que possam ajudar seus filhos. Outra dica é pedir a ajuda deles para esta pesquisa, tornando o processo interessante e divertido”, indica Proença.

É importante que a criança possa escolher os jogos que mais lhe agradem, contudo deve haver o acompanhamento de um adulto, inclusive jogando o game. “É sempre bom os pais estarem atentos se os jogos têm a temática mais pedagógica, e também tenham o cuidado de como isso está sendo passado, se foi feito por uma organização confiável”, ressalta Simone.

Outro cuidado é buscar orientação com os professores e checar se a plataforma é adequada para a faixa etária da criança. Além disso, o controle do tempo que se fica jogando é fundamental. “Toda criança necessita ser monitorada em relação ao tempo de uso de eletrônicos, preservando o dobro (ou mais) do tempo que ela passa diante de um game para as brincadeiras convencionais que permitam manipulação do objeto real-concreto. Quanto menor a criança, menos tempo diante de games”, frisa Luciana.

Para Jorge Proença, o tempo máximo diante de um game é de no máximo uma hora por dia. “Na plataforma Kiduca, por exemplo, existe a possibilidade de limitar o uso do game em uma hora diária, que já é o suficiente para o processo de aprendizagem”, afirma Jorge.

Um caminho para uma nova escola

A educação é um dos âmbitos mais tradicionais na sociedade, por isso, inovações ocorrem lentamente. Para Simone, os jogos como ferramenta de aprendizagem é um dos caminhos para a inovação na sala de aula: “com certeza é uma das ferramentas mais importantes hoje em dia, justamente pela conexão das crianças com o meio digital. Mas o jogo sozinho não transforma, precisa que os pais e os professores sejam incentivadores nesse processo de aprendizagem”.

Alguns jogos para a garotada

ReciclaKi

Criado especialmente para estudantes, o game apresenta conteúdo didático sobre reciclagem. Ele está dentro do percurso “Turma que Recicla”, do Edukatu – Instituto Akatu, uma plataforma gratuita e aberta de aprendizagem sobre consumo consciente e sustentabilidade. No jogo, os estudantes são catadores de recicláveis e aprendem sobre a importância de separar e destinar corretamente os diversos materiais. Pode ser jogado em computadores, tablets e smartphones com sistema Android e iOS.

www.edukatu.org.br/reciclaki

Diário de amanhã

O tema relacionado aos direitos humanos nem sempre é algo discutido nas escolas. Para ajudar alunos e educadores a se aproximarem do assunto de maneira lúdica e didática, o Senac, em parceria com a instituição Palas Athenas e com o apoio da Unesco,  criou o “Diário de Amanhã”. Em formato de perguntas e respostas, o game tem como objetivo facilitar o entendimento da Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH), que faz parte do dia a dia de toda a sociedade. Com acesso gratuito e ilimitado, os educadores preenchem um cadastro simples e podem jogar offline.

www.sp.senac.br/diariodeamanha

Kiduca

Trata-se de uma plataforma educacional baseada em games e fundamenta nas diretrizes curriculares. O jogo simula uma cidade, dividida em bairros. Cada bairro representa uma área de conhecimento (Matemática, Português, Ciências, História, Biblioteca e Centro). É um ambiente interativo, onde a criança cria um avatar (personagem fictício) que tem seu mundo próprio. Nele são criadas situações para estimular a curiosidade do aluno, de acordo com a fase em que ele se encontra na escola. Também ensina valores morais e cidadania. O legal é que a plataforma permite que o professor crie jogos para os seus alunos. Pode ser monitorado pelos pais, educadores ou pela própria escola. Versão disponível apenas para computadores, via internet. Acesso pago.

www.kiduca.com.br

Magic Bubble

Trata-se de uma rede social infantil que conta com games divertidos e educacionais. As crianças assumem avatares em um mundo virtual que reproduz cenários de cidades brasileiras e do mundo. Com suporte pedagógico, o ambiente pode ser monitorado por pais e professores, acompanhando o desenvolvimento dos pequenos e ainda brincar junto. Após um período gratuito, é necessário se tornar assinante por um valor mensal de R$ 9,95. A plataforma está disponível em uma versão para computadores e aplicativo para o sistema Android.

www.magicbubble.com.br

Aprender a ler

O aplicativo para smartphones e tablets ajuda as crianças em fase de alfabetização a ler e escrever de uma maneira gradual. Relacionar palavras a figuras correspondentes, copiar palavras, completar letras que faltam e escrever são algumas das atividades disponíveis. O game é grátis e está disponível para o sistema iOS na Apple Store.

Nossas fontes:

Jorge Proença, diretor do Singol

Luciana Barros de Almeida, presidente nacional da Associação Brasileira de Psicopedagogia (ABPp)

Silvia Sá, psicóloga e gerente de educação do Instituto Akatu

 

FONTE:

Artigo desenvolvido pelo projeto Na Mochila, que em parceria com as escolas oferece uma revista por bimestre aos pais de alunos do ensino Infantil e Fundamental I. Conheça o site da Na Mochila clicando aqui.




 Publicidade: