Temos mais de 193.000 escolas cadastradas em nosso site

Temos mais de 193.000 escolas cadastradas em nosso site

Encontre as principais informações das  escolas

Encontre as principais informações das escolas

Avalie sua escola e contribua com a educação brasileira

Avalie sua escola e contribua com a educação brasileira

Garanta as melhores bolsas de estudo das escolas parceiras

Garanta as melhores bolsas de estudo das escolas parceiras

Crianças com doenças de adulto

Crianças com doenças de adulto


Texto: Rose Araujo.

Agora que as doenças infecciosas, como sarampo, varíola e paralisia infantil, estão sob controle, graças às vacinas, a preocupação dos pais se volta para outros problemas. É cada vez mais frequente encontrar crianças com síndromes de adultos, como colesterol alterado, hipertensão, diabetes tipo 2 e obesidade. Assustador, esse quadro tem como causa os maus hábitos de vida, que inclui sedentarismo e alimentação de qualidade duvidosa.

“O que tem causado tudo isso são as mudanças no estilo de vida das famílias, com horários incertos para as refeições básicas - isso quando não se recorre a pratos prontos industrializados, tudo com excessos de sódio, açúcares, gorduras”, explica o pediatra Edson Oshiro.

A alimentação é a grande precursora dessas doenças, somada à falta de atividade física. O corpo recebe essa carga de substâncias nocivas à saúde e não sabe como processá-la. Com isso, acaba se acumulando no organismo e afetando o funcionamento de diversos órgãos, como pâncreas (produção de insulina), corrente sanguínea, estômago e coração.

E os pequenos não estão livres disso, mesmo tendo mais energia, disposição e estando com o organismo menos desgastado que o do adulto.

A secretária Alice Souza, mãe de Eduardo, 8 anos (os nomes foram trocados a pedido da entrevistada), precisa administrar bem toda a alimentação do filho. Ele, com 1,25m de altura, já está pesando 35kg e precisa de acompanhamento com endocrinologista. “Controlamos tudo, tipo de comida e quantidades. Reduzimos o doce. Temos a vantagem dele não gostar de refrigerante”, salienta a mãe.

Ela acredita que a causa da obesidade do filho vem de família. Ela e o pai não são obesos, mas avós e tios, sim. E outro detalhe: Eduardo adora comer! “Ele come tudo, não tem nenhuma restrição alimentar”, afirma. “Morremos de pena quando ele pede para repetir o prato e temos que negar!”

Alice destaca que o médico recomendou, ainda, atividade física regular ao menino. “Agora ele faz natação duas vezes por semana, futsal uma vez  e ainda tem o basquete, o vôlei e a ginástica que ele faz na escola no período da tarde. Mas ainda não emagreceu.”

 

Os riscos

Conviver desde cedo com essas doenças é levar uma vida de consultas médicas, preocupações e medo. Os riscos são os mesmo para adultos e crianças e é preciso um controle rigoroso para não sofrer danos maiores, como um Acidente Vascular Cerebral (AVC), por exemplo.

“Uma criança ou adolescente hipertenso poderá ter lesões no que chamamos de órgãos-alvo: cérebro, coração e rins. Isso traz consequências seriíssimas, como o acidente vascular cerebral (AVC), a insuficiência cardíaca e, por exemplo, a necessidade de hemodiálise por perda das funções renais, no futuro. A ideia é ficar atento e, se houver hipertensão, manter sob controle desde cedo”, orienta o médico Eduardo Mesquita de Oliveira, cardiologista do Hospital Israelita Albert Einstein, em artigo publicado no site da instituição.

 

Diabetes tipo 2

Essa doença, que costumava se manifestar em pessoas com mais de 40 anos, agora aparece de forma epidêmica entre as crianças. As principais causas? Obesidade, alimentação rica em gordura e açúcar e sedentarismo.

O diabetes mellitus tipo 2 pode ser um mal silencioso. Alguns sintomas que podem ser manifestar: aumento de sede e da frequência urinária, aumento da fome, cansaço, perda de peso, visão turva, dificuldade de cicatrização de feridas, frequentes infecções na pele, áreas de escurecimento da pele e acantose (aumento da espessura da epiderme), que pode aparecer debaixo dos braços e do queixo e denota aumento a resistência à insulina.

O diagnóstico é feito pelo exame de sangue em jejum. Mas o médico poderá requisitar outros exames, como a hemoglobina glicada e o teste de tolerância à glicose. Se o resultado confirmar a doença, o tratamento constitui em um controle rigoroso da alimentação, atividades físicas frequentes e, em alguns casos, uso de medicação.

 

Cuidado com o fast food

Já alertamos sobre o perigo do consumo de fast food em algumas edições anteriores da Na Mochila. Agora, um estudo da Proteste Associação de Consumidores veio confirmar as informações. A entidade avaliou 14 combos de cinco lanchonetes de fast food, sendo quatro infantis (cheeseburger, batata frita e bebida pequenos) e 10 adultos (sanduíche, batata frita e bebida médios), e constatou: todos são verdadeiras bombas de gordura, sódio e açúcar, que contribuem para o aumento de doenças cardiovasculares, obesidade, diabetes e hipertensão.

Entre os lanches infantis, o McLanche Feliz contém quantidade elevada de gordura saturada, chegando a 43% dos valores diários de referência para este nutriente.  Os níveis de gordura trans, a mais nociva para o organismo, foram considerados bons – com exceção do lanche Double Cheddar, do Habib’s, onde foi encontrado 0,91 g. Os níveis de sódio também são preocupantes. Apenas cinco combos apresentaram níveis aceitáveis do nutriente – três infantis e dois adultos. O MegaClone, do Giraffas, é o lanche que contém mais sal (2,1 g), ultrapassando a recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS) de consumo, que é de 2 g por dia. Entre os infantis, o GiraLanche, também do Giraffas, contém o teor mais elevado de sódio.  A quantidade de açúcar nas bebidas também está acima dos aceitáveis para o consumo (6,3%). Os refrigerantes do MCDonald’s e Giraffas apresentaram 10% de açúcar e os do Bob’s, 7,3%.  Na comparação com teste realizado pela Proteste em 2009, os níveis de gordura saturada e trans diminuíram em até 11%. Contudo, os índices de gorduras totais aumentaram – de 29 g para 42g nos combos adultos e de 19 para 24g nos infantis. A quantidade de calorias também subiu em 8%. E o açúcar nos refrigerantes diminuiu nos combos adultos, entretanto, aumentou nos infantis.

Por isso, o ideal é que o consumo desses alimentos seja feito de forma muito moderada.

 

As doenças em números:

- Dados do Instituto do Coração apontam que cerca de 10% das crianças no Brasil têm colesterol alto. De acordo com pesquisa feita pela Unicamp com 1.937 crianças e adolescentes entre 2 e 19 anos, 44% dos entrevistados tinham níveis alterados de colesterol. Nos Estados Unidos, este número chega a 50% em alguns estados americanos.

- No Brasil, cerca de 30 milhões de brasileiros são hipertensos e desse total 19% são crianças, adolescentes e adultos com idade inferior a 34 anos. Estima-se que cerca de 5% das crianças sofram deste mal.

- Segundo estudo realizado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 12% das crianças apresentam algum tipo de transtorno emocional  como estresse, depressão e síndrome do pânico. Estes problemas podem afetar a qualidade de vida do indivíduo e, se não tratados, estenderem-se até a idade adulta.

Fonte: Programa Papo de Mãe, TV Brasil

 

Entrevistados:

Edson Oshiro, pediatra do Instituto da Infância

Eduardo Mesquita, cardiologista do Hospital Israelita Albert Einstein

 

Fonte: Artigo desenvolvido pelo projeto NA MOCHILA, que em parceria com as escolas oferece uma revista por bimestre aos pais de alunos do ensino Infantil e Fundamental I. Para saber mais sobre o projeto, clique aqui.