Menu fechado

Educação sexual nas escolas: dicas de atividades

símbolos de gêneros

A educação sexual nas escolas permite que crianças e adolescentes tenham acesso a diferentes tipos de informações. Entre os conteúdos abordados pelos professores nas aulas, os mais comuns são: mudanças no corpo humano, puberdade, sistema reprodutor etc.

O que é educação sexual?

O objetivo da educação sexual é preparar os estudantes para a vida sexual de forma segura. Ela também permite o esclarecimento de dúvidas para que a criança cresça tendo consciência sobre o seu corpo. Com isso, ela chegará à fase adulta mais preparada para tomar decisões com responsabilidade. 

Para ter efeito positivo, é importante que a educação sexual na escola seja trabalhada com linguagens que respeitem a faixa etária de cada aluno. Outro ponto importante é capacitar os professores para que eles saibam abordar os assuntos de forma adequada entre as crianças. 

A escola também deve estabelecer uma relação de confiança com as famílias e reforçar a relevância da educação sexual para:

  • Prevenção de gravidez na adolescência;
  • Adoção de hábitos saudáveis entre os jovens;
  • Uso adequado de métodos contraceptivos;
  • Cuidados com corpo;
  • Higiene pessoal.

Qual a importância da educação sexual nas escolas?

Na opinião da Mary Neide Damico Figueiró, mestre em Psicologia Escolar pela USP e doutora em Educação pela Unesp, a educação sexual para crianças está muito presente no cotidiano. Por isso, ela precisa ser abordada em casa, nas escolas e na relação entre as pessoas.

“A educação sexual é toda oportunidade que a criança, o adolescente, ou qualquer outro indivíduo, tem de receber informações, esclarecimentos, sobre tudo que diz respeito ao seu corpo. Do desenvolvimento da sexualidade às questões de gênero. O principal objetivo é promover conhecimento sobre o corpo e o sexo de forma natural, positiva e sincera. No entanto, o despreparo para lidar com temas ligados a esses dois assuntos pode fazer com que o aprendizado aconteça de uma maneira não satisfatória, tanto em espaços escolares quanto em casa”.

Mary Neide Damico Figueiró

Ainda segundo a especialista, a falta de cuidado ao abordar as questões relacionadas ao sexo cria uma visão negativa nas crianças. Além disso, os tabus sobre o assunto também dificultam o diálogo entre pais e filhos. 

“Resumindo: educação sexual é todo espaço em que a criança ou adolescente tem a oportunidade de aprender a respeito do corpo, da sexualidade. Pode ser em uma aula ou em um espaço de conversa proposital, em que o adulto tenha intenção de sentar e conversar abertamente. E também de maneira informal, no cotidiano”, explica. 

Educação sexual nas escolas: prevenção contra abusos!

Muita gente não imagina, mas as aulas de educação sexual também ajudam a combater casos de abusos e pedofilia. Ainda na educação infantil, as crianças devem aprender o nome correto dos órgãos genitais e os conceitos de privacidade. 

Segundo especialistas, a maior parte dos abusos sexuais contra crianças e adolescentes acontecem no ambiente doméstico e são praticados por pessoas próximas da família.

Nesse contexto, o papel da escola é orientar os estudantes para se protegerem e encontrarem um canal seguro para fazer denúncias. A criança deve entender o que é certo ou errado para buscar ajuda, caso passe por alguma situação inadequada.

Vale lembrar que a educação sexual não precisa ser tratada como uma disciplina específica. Ao contrário, ela pode ser abordada nas aulas de biologia, redação, geografia, história, entre outros. 

No caso das crianças pequenas, a ideia é que elas conheçam o próprio corpo e consigam perceber a diferença entre carinho e carícias não permitidas. Elas devem entender que, caso se sintam desconfortáveis, podem dizer não e relatar a situação para alguém de confiança. 

Por ser um tema complexo, muitas crianças não costumam falar abertamente que estão sofrendo abuso. Geralmente, isso acontece por medo ou por vergonha. 

No entanto, a criança costuma dar sinais de violência sexual por de meio mudanças no comportamento, queda no rendimento escolar, isolamento, agressividade e crises de choro. Sendo assim, as escolas devem qualificar a equipe pedagógica para observar essas situações.

Aula de educação sexual: como planejar?

Como vimos, a educação sexual traz diversos benefícios para crianças e jovens, incluindo: prevenção de gravidez, doenças e combate a abusos. 

Para garantir que sua escola tenha aulas significativas para os alunos, vale investir em conteúdos teóricos e outras dinâmicas, como:  

  • Atividades lúdicas,
  • Contação de histórias,
  • Jogos educativos,
  • Debates,
  • Rodas de conversas,
  • Palestras com médicos ou especialistas,
  • Atividades em grupo,
  • Pesquisas,
  • Uso de bonecos,
  • Exibição de vídeos,
  • Oficinas,
  • Atividades externas, como visitas a ONGs ou hospitais.

Lembre-se de manter a comunicação com os pais e responsáveis para que o trabalho de educação sexual aconteça de forma integrada.

Publicado em:Universo pedagógico
Post relacionado
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *